quinta-feira, 22 de junho de 2017



Jamais eu direi
Que me arrependi pelo amor [, pelo amor] que eu deixar.

(...)

Você não sabe, [mas] eu vou contar todo o segredo,
Esses caminhos eu conheço,
Andar sozinho, eu não mereço.

(...)

E você há de entender:
A gente tem que ter alguém pra viver!

(...)

E jamais eu direi que um dia
Você conseguiu me magoar.

[Antonio Marcos]

NOTAS: [...] interferências dos meus alunos, e que eu gostei... Mas não pertencem ao original. Eles não entendiam a letra, e eu pedi que fizessem interferência. Mas isso só aqui, na arte fica como está, e nem estou dizendo que as interferências deles são ótimas, ao contrário, são dificuldades de compreensão, e arte cada um sente e interpreta/ analisa como deseja...

NOTA: Antonio Marcos era talentoso compositor, cantor maravilhoso e sabia como ninguém ser lindo de morrer... kkk Era um deus de um espaço, e de um tempo - dois termos caros à Psicologia Fenomenológico-Existencial... Ele cantando essa música ao receber o Troféu Roquete Pinto - uau... Teve uma vida privada provocativa e não sei porque ainda não fizeram um filme ou uma série com ele... Ele era meu ídolo, escrevo e sinto o que sentia de respeito e admiração por esse ídolo, mesmo sendo mais idoso kkk a cabeça não morre, mas o corpo sim kkk

Visitantes sempre dão prazer, senão quando chegam, pelo menos quando partem.

 

 O Garoto (ou Vizinho) da Porta Ao Lado

 The Boy Next Door, 2017.

Some Guy (The Boy Next Door) 썸남

* * * 

MINHA APAIXONADA APRECIAÇÃO

Que série maravilhosa, roteiro exemplar, diálogos e frases... uau... ótimos para serem repetidos como em um cosplay, e eu amo fazer isso. Música incidental e principal. Entrada da série - sempre linda e motivadora. E os intérpretes? Santo Deus, Buda.. Adoro diversas cenas, diversas e já sou capaz de parodiar fazendo cópias em que eu me emociono totalmente - sim, destaco que é uma comédia (predominante) associada com drama, e até melodrama... Destaco aqui, de lembrança, as cenas: quando um destaca a voz do outro, ele chega a tirar do ouvido quando a escuta de tão "viril" (ele diz) que é a voz, sensual kkk Outra, quando os dois cantam, cada um no seu apartamento vizinhos. Nossa tem tantas cenas...


MINHA SINOPSE: Dois vizinhos em um prédio de 3 andares, pequeno e meio que para estudantes. São micro apartamentos que no Brasil chamamos de mini quitinete. Tudo de escuta de um apartamento para o outro. No início eles se odeiam, e depois um terá que morar com o outro, pois o proprietário (engraçadíssimo) promoverá reforma. O amor de um pelo outro vai se instalando e se solidificando. É uma série ya-oí, linda demais, e mesmo as personalidade rígidas psicopatológicas (Vide Adorno) podem assistir sem perigo de sair matando e torturando o outro diferente de nós. Eu, por exemplo, adorei... Os dois ficam o tempo todo nos apartamentos, pois são estudantes universitários e trabalham com e na internet, um é designer de videogames e o outro desenha mangás que usa recursos da WEB. São dois nerds, vamos dizer - jovens estudiosos, envolvidos nessa trama de amor e amizade, bromance bem ao estilo ya-oí sul-coreano. A cena que fica claro o amor dos dois (em cada episódio isso fica evidenciado) é a da canção, quando os dois cantam (são eles mesmos e cantam bem demais... atores perfeitos), pois no caso, a letra da música substitui o diálogo (episódio 14). "Pres'tenção" gente: é comum isso, quando os atores param um filme e começam a cantar, a letra é vital que seja entendida, pois ela é o diálogo, o que está se dizendo, e há raras exceções a isso, e você saberá distinguir. Fico desesperado com a vida, a dona Vida, pois essa série de 2017, e só em 2017 tenho acesso a ela kkk... E depois dizem que o mundo é globalizado kkk e é mesmo... Os tempos atuais trouxeram a exposição das guerras e das fomes, das imagens do imediato vivido (violências, sexualidade gratuita, babaquice do cotidiano etc.), mas trouxe séries como essa, lindas demais, que nos faz esquecer de um cotidiano da mesmice e da falta de criatividade. Amo as artes, pois nos faz suportar a realidade, sem deixar de ter nos pés fincados nela.

 

MAIS DADOS VITAIS:
Diretor: Jung Jung-Hwa

Escritor/ roteiristas: Yoo Hyun-Sook (webcomic), Kim Eun-Jung.

Total de episódios: 15

Duração média de cada episódio: 6 a 8 minutos só... é uma obra de arte, gente...

Ano: lançado em abril de 2017

Emissora de TV que transmitiu: Naver TV Cast 
  
Atores (estrelas):

Ator: Choi Woo Shik 
como
Park Gyu Tae

Ator: Jang Ki Yong
como
Seong Ji Jae

NOTA QUE DOU (E OLHA QUE SOU ESTUDIOSO, TÁ?): 10,0 (dez com louvor)... kkk

IMAGENS QUE CAPTUREI DA SÉRIE MESMA:




sábado, 17 de junho de 2017

DIA DO PEPERO, 11 DE NOVEMBRO...
Nos seriados asiáticos ya-oí ou não, tem sempre umas cenas donde um casal de apaixonados ou com vontade de, coloca na boca algo chamado pepero. Pepero (빼빼로) é um biscoito doce (tem diet) em forma de palito coberto de chocolate produzido pela Lotte na Coreia do Sul desde 1983, o similar é o biscoito japonês Pocky. A ponta do palito é colocado na boca, e do outro lado outra boca se ocupa. Ambos comem o mais rapidamente possível, até um chegar nos lábios do outro. O mito surgiu provavelmente em 1983, quando um casal propôs comer assim um pepero, e se comecem rápido iriam ficar magros e altos (kkk idealização)... Pepero Day é uma iniciativa de marketing para impulsionar a venda do produto. Neste dia as pessoas devem comprar o biscoito para presentear aqueles que lhe são queridos. Hoje é um evento popular, turístico e ao mesmo tempo é tema de críticas devido ao comércio claramente ligado, e por ser altamente calórico contradizendo com a proposta original (ser alto e magro)... Os hotéis lotam com turistas ávidos pela brincadeira, pois comendo mais rápido chega-se aos lábios da parceira/o, esquecendo-se que a motivação mítica idealizada. Assim esse evento é concorrente com o Dia dos Namorados e Dia do Amor...

cena da série mini "The Boy Next Door" - 썸남, Episódio 07 (O Rapaz Ao Lado) série sul-coreana... 2017.
Clarice Lispector escreveu um pequeno e lindo texto chamado "Ele me Bebeu". São dois personagens, Aurélia e seu cabelereiro Serjoca, e depois entra mais um, o rico Affonso Carvalho. Em determinado momento, os dois primeiros estão no apartamento do terceiro, e Aurélia descreve o ambiente novo rico: "O apartamento era atapetado de branco e lá havia escultura de Bruno Giorgi". Pois então, hoje fui ao Shopping Vitória, e lá havia uma loja que vende obras caríssimas de arte, e eu entrei e dei de cara com uma estátua. Fiz um esforço e abaixei-me pra ver o autor, era de Bruno Giorgi (1905-1993). Não acreditei. Senti-me como a personagem Aurélia, que só através de um pequeno autoflagelo, um tapa na cara, consegue acordar: "Ela era Aurélia Nascimento. Acabara de nascer. Nas-ci-men-to.".

[Hiran Pinel, autor]

domingo, 11 de junho de 2017

SOTUS THE SERIES, enquanto isso nos bastidores, nos fameeting etc.

Singto (na série é Kongpob) chega a tocar "delicadamente" (kkk) no rosto/ queixo de Krist (que na série é Arthit)...No vídeo os dois conversam, e Singto explica algo fazendo até gesto para ser didático (kkk), e vira-se de costas para Krist que resolve responder. Singto parece não gostar da resposta, retorna, fica de frente a Krist. Singto parece escutar Krist, que como sempre, adora falar (kkk). Singto levanta a mão e pressiona o queixo do fala(dor), como se dissesse cale a boca seu bocudo lindo (kkk). Dois lindos se digladiando. Gente, ficar juntos o tempo todo cansa, tá boa santa? Cansa demais...


Singto [ou: Ruangroj Prachaya] de camisa branca de manga comprida...

Krist [ou: Sangpotirat Perawat] de blusa cinza...


[Hpinel; segundo leituras que passo do thai para o português - via google tradutor, logo sujeitas a diversas distorções...].



quinta-feira, 8 de junho de 2017



PHILIPPE PINEL: APRENDENDO COM O OUTRO 

 Hiran Pinel, autor.

O ator norte americano Edmond O'Brien, na película “O homem que matou o facínora” (de 1962), diz em um determinado momento fílmico: “Este é o oeste, senhor. Quando a lenda vira fato, imprima-se a lenda” (in Mora, 1999; p.50).

1. INTRODUÇÃO
Quem é essa “celebridade”? De onde veio? Estudou? Veio da miséria? Qual sua orientação sexual? O que ela esconde de nós? Onde está o buraco da fechadura, para que eu possa olhar e sentir o que de fato me esconde? Quero bisbilhotar, quero xeretar a vida do outro – de mim? De quem? Como essa “celebridade” pode enriquecer minha monótona vida? Qual sua origem?
O ser humano, talvez por sua finitude certa, sempre desejou e “ousou” - pelo sofrimento decorrente dessa ousada busca desejante - re-buscar suas origens. Atualmente, parece haver uma busca frenética por árvores genealógicas, biografias, vidas privadas, psicobiografias etc. Queremos saber de nós! Queremos saber do outro! Queremos mostrar nossa curiosidade pela vida alheia! Queremos olhar n'algum espelho – bem polido, bem deformado – deformante.
Por detrás destes interesses “genealógicos” – história da vida de alguém, celebridade ou não - podem ocorrer delicadas descobertas. Vou falar do Pai da Psicologia Clínica e da Psiquiatria Philippe Pinel – e como bem veremos pode ser considerado um grande psicólogo educacional – ou um educador não escolar.
Médico, psiquiatra renomado – na época não havia formação de psicólogos, já que que esta arte/ ciência pertence à Filosofia e sua prática à Medicina – Philippe Pinel ganhou a “LEGIÃO DE HONRA”, criada por Napoleão – pertencendo ao primeiro grupo de condecorados.
Como esse sujeito ficou famoso?
Estou a defender a “tese”(?) de que Philippe Pinel tornou-se o que é, sendo no mundo, isto é, buscando e encontrando ajuda de um ex-paciente e um simples vigilante chamado Pussin (1746-1811).
Pinel acabou por conduzir Pussin a compor a História da Psicologia Clínica e da Psiquiatria – através de sóbria e rigorosa observação dos cuidados oferecidos pelo ex-doente mental aos seus companheiros existenciais.

2. METODOLOGIA
TIPO DE PESQUISA
Neste contexto, esta pesquisa bibliográfica fenomenológica (Forghieri, 1993; Pinel, 2000 b) e histórico psicobiográfica (Pinel, 2000 a) objetivando delinear “inventivamente” a “honrosa figura” de Philippe Pinel, (des)velando possíveis subjetividades na construção sócio-histórica de um mito da Psquiatria e da Psicologia.

SUJEITO DA PESQUISA/ POR UMA BIOGRAFIA OFICIAL
Ele é considerado o fundador ou “Pai” da Psiquiatria francesa – e por conseguinte, dos primordios da Psicologia Clínica. Procuraremos, a partir de dados objetivos, compreender, atualmente, suas subjetividades.
Desejamos fazer o mesmo com a vida de seus dois filhos: Scipion: Médico psiquiatra e psicólogo clínico relativamente reconhecido – não tão quão seu pai - e de Charles: Botânico e mineralogista reconhecido, no plano histórico, internacionalmente.
Vejamos uma biografia publicada por Rubem Queiroz Cobra (2004), que configura um discurso oficial:

PHILIPPE PINEL: A VERSÃO MITOLÓGICA DE UMA EXISTÊNCIA
Médico, pioneiro no tratamento dos doentes mentais, Pinel nasceu a 20 de abril de 1745, em Saint André, cantão de Alban, no Departamento do Tarn, Sul da França, entre Castres e Toulouse. Faleceu a 25 de outubro de 1826, em Paris.
Fez seus estudos clássicos, ingressando depois na Faculdade de Teologia de Toulouse em 1767.
Desistindo de abraçar a vida religiosa, passou a estudar matemáticas, mas optou depois pela medicina, uma carreira tradicional em sua família (Seu pai era cirurgião barbeiro e vários ancestrais por parte de sua mãe haviam sido médicos, apotecários e cirurgiões).
Diplomou-se na Faculdade de medicina de Toulouse aos 28 anos em dezembro de 1773.
No ano seguinte foi aperfeiçoar seus conhecimentos de medicina em Montpellier, onde, por quatro anos, freqüentou a escola de medicina e os hospitais. viver, fazia trabalhos acadêmicos para estudantes , deu cursos particulares de matemática e de anatomia.
Em 1777 apresentou dois trabalhos sobre aplicação de Matemática ao estudo da Anatomia Humana para a Société Royale des Sciences de Montpellier, da qual foi nomeado membro correspondente.
Chegado a Paris em 1778, ele se sustentou por muitos anos fazendo traduções científicas e médicas, e ensinando matemática.
Nesse período, também visitava doentes mentais confinados, escrevendo artigos sobre suas observações.
Inicialmente clinicou e somente passou a se interessar pela psiquiatria por volta de 1780, aos quarenta anos, devido à preocupação em socorrer um amigo vítima de psicose maníaca aguda.
Porém, somente cerca de 1786 tratou de doentes mentais, contratado por Belhomme para atender em sua clínica para doentes mentais aristocratas.
Tornou-se amigo do filósofo e fisiologista Pierre Jean Georges Cabanis (1757-1808) e do médico Michel-Augustin Thouret (1748-1810) que viria a ser posteriormente, em 1794, o primeiro diretor da Ecole de Santé de Paris, após reformada pela Revolução.
Cabanis o introduziu aos salões de Madame Helvetius, viuva do filósofo Claude-Adrien Helvétius (1715-1771), onde conheceu o embaixador americano Benjamin Franklin (1706-1790) que negociava o apoio dos franceses contra a Inglaterra, para a independência das colônias americanas.
Mme. Helvétius reunia em sua casa um grupo de filósofos mais tarde conhecidos como "os ideólogos". Foi aí que Pinel conheceu as doutrinas de John Locke (1632-1704) e Étienne Bonnot de Condillac (1715-1780), as quais o influenciaram fortemente no sentido da abordagem científica da doença mental.Foi influenciado pelo Iluminisno e pelos ideais da Revolução Francêsa.
Em 1784 assumiu a Direção da "Gazette de Santé", que lhe passou Jean-Jacques Paulet, diretor da faculdade de Medicina. Nesse periódico publicou vários artigos relativos a doenças mentais, escritos também para o Journal de Paris . Também ocupou-se de várias traduções e revisões para os editores franceses.
Inicialmente clinicou e somente passou a se interessar pela psiquiatria por volta de 1780, aos quarenta anos, devido à preocupação em socorrer um amigo vítima de psicose maníaca aguda. Porém, somente cerca de 1786 tratou de doentes mentais, contratado por Jacques Belhomme para atender em sua clínica para doentes mentais de recursos.
Em 1789 esteve engajado entusiasticamente na Revolução Francesa.
Quando se instalou o Terror – miséria, violência, guilhotinadas etc. - não se furtou a ajudar aqueles que haviam sido proscritos pelo governo revolucionário, entre eles o filósofo Marie-Jean-Antoine-Nicolas de Caritat, marquês de Condorcet (1743-1794), um defensor da reforma educacional e líder da Revolução, que caíra em desgraça por votar contra a morte do Rei, e viveria oculto até ser preso mais tarde para morrer na prisão.
Pinel, como professor da Faculdade de Medicina, foi obrigado a assistir a execução de Luís XVI.
Pinel casou, em 1792 com Jeanne Vincent; e teve três filhos [sei aoenas de dois filhos] dos quais um, Scipio, seguiu a profissão do pai tornando-se também um especialista em doenças mentais.
Viúvo em 1811, Pinel voltou a casar em 1815 com Marie-Madeleine Jacquelin-Lavallée.
Em agosto de 1793, por influência dos amigos Cabanis e Thouret, foi nomeado médico-chefe do Asilo de Bicêtre, por decreto da Convenção.
Em Bicêtre, destinado a doentes mentais masculinos, eram reunidos sem distinção loucos e criminosos.
Os loucos eram mantidos acorrentados em celas baixas e úmidas, grande parte deles acorrentados, fossem ou não perigosos.
Pinel tinha em consideração a experiência diária dos funcionários do estabelecimento, a qual ele considerava valiosa para ajudar a compreender certos aspectos das doenças mentais.
O chefe dos guardas do asilo, Jean-Baptiste Pussin, cujos procedimentos observava com atenção, inspirou-lhe medidas humanitárias em benefício dos doentes, principalmente a de libertá-los das correntes a que vários viviam presos, tratá-los como doentes comuns e, em caso de crises de agitação e violência, aplicar apenas a camisa de força.
Permaneceu em Bicêtre de 1793 a 1795.
Em dezembro de 1794, com a reforma da universidade, o governo da Convenção Nacional criou três escolas de saúde.
Foi nomeado Professor-Adjunto (de Física Médica e Higiene) na nova Escola de Saúde de Paris (em 14 de dezembro de 1794), sucedendo no ano seguinte a François DOUBLET (1751-1795), que faleceu em 06 de junho de 1795, quando Pinel conquistou a cátedra de Patologia Interna Médica. Ele ficou nessa cadeira por vinte anos.
Em 13 de maio de 1795 Pinel foi nomeado médico chefe do Hospício da Salpêtrière, um asilo feminino onde as doentes eram tratadas do mesmo modo como havia encontrado em Bicêtre. Aí ele ficou até sua morte.
Lá ele aplicou os mesmos métodos e obteve os mesmos bons resultados, como livrar as doentes das correntes que as prendiam, muitas acorrentadas por 30 a 40 anos.
Pinel corretamente considerou as doenças mentais como resultado ou de tensões sociais e psicológicas excessivas, de causa hereditária, ou ainda originadas de acidentes físicos, desprezando a crendice entre o povo e mesmo entre os médicos de que fossem resultado de possessão demoníaca.
Nesse particular seguiu idéias já avançadas por contemporâneos seus como Tuke, Chiarugi e Daquin. William Tuke (1732-1822).
Tuke foi um comerciante de café e chá, e um filantropo, que fundou em 1792 um hospício em York na Inglaterra para dar tratamento humanitário aos doentes mentais.
Chiarugi foi o médico diretor do Asilo Bonifacio, em Florença, onde em 1788 ele aboliu o tratamento desumano dos pacientes.
Joseph Daquin (1733-1815) o médico francês, de Chambéry, que havia estudado em Turin, na Itália, e que em seu La philosophie de la folie , em 1787 propôs um "tratamento moral" para os doentes mentais.
Pinel, no entanto, foi o primeiro a distinguir vários tipos de psicose e a descrever as alucinações, o absentismo, e uma serie de outros sintomas.
Para o seu tempo, sua obra Nosographie Philosophique ou Méthode de l'analyse appliquée à la médecine ("Classificação filosófica das doenças ou método de análise aplicado à medicina "), de 1798; continha descrições precisas e simples de várias doenças mentais, com o conceito novo de que a cada doença era "um todo indivisível do começo ao fim, um conjunto regular de sintomas característicos"
Pinel aboliu tratamentos como sangria, purgações, e vesicatórios, em favor de uma terapia que incluía contacto próximo e amigável com o paciente, discussão de dificuldades pessoais, e um programa de atividades dirigidas. Preocupava-se também em que o pessoal auxiliar recebesse treinamento adequado e que a administração das instituições fosse competente.
Seu Traité médico-philosophique sur l'aliénation mentale , cuja primeira edição apareceu em 1801, está centrado sobre a psicose maníaca a qual considerava a doença mental mais típica e a mais frequente. Na segunda edição desta obra, em 1809, ele acrescenta duas centenas de novas páginas para descrever sua experiência em Bicêtre e em La Salpêtrière.
Ele percebeu que havia sempre traços de razão no alienado, capaz de permitir uma terapia pelo diálogo. Salienta o interesse de um tratamento humano para os doentes mentais e insiste nas relações deste com o meio familiar e com os outros doentes, e no papel do médico na administração hospitalar para cortar o círculo infernal que leva à perpetuação e ao agravamento da doença mental. Para ele o tratamento medicamentoso era secundário, uma atitude que lhe vinha certamente de observar a ineficácia da farmacologia de seu tempo.
Uma geração de especialistas em doenças mentais, liderada por Jean Etienne Dominique Esquirol (1772-1840), foi educada em La Salpêtrière e disseminou as idéias de Pinel pela Europa. Esquirol sucedeu a Pinel na Salpêtrière .
Seu Traité médico-philosophique sur l'aliénation mentale ou la manie ("Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou mania") de 1801 detalha seu método psicologicamente orientado e tornou-se um clássico da psiquiatria. Graças a suas iniciativas, a França tornou-se lider no tratamento dos doentes mentais em sua época.
Em 1804 Napoleão concedeu-lhe a Legião de Honra no grau de Cavaleiro, e, em 1805, o nomeou Médico do Imperador.
“Membro do instituto em 1803, fez parte do primeiro grupo de condecorados com a Legião de Honra, criada por Napoleão, que o nomeou-em 1803 “médico clínico do Imperador”. Serviu ao Império e depois a Restauração, que o condecorou com a Ordem de São Miguel em 1818” (Morel, 1998; p. 194).
Após a Restauração, recebeu a Ordem de Saint-Michel em 1818; porém, por motivos políticos, foi destituído de seu cargo de professor em 1822.
Pinel foi eleito para a Académie des Sciences de Paris em 1804, e membro da Academia de Medecina desde sua fundação em 1820.
Para Pinel (2004) Philippe Pinel foi reconhecido internacionalmente principalmente como nosógrafo e clínico (que hoje devem ser contextualizados). Foi assim que ele entrou para a História e para as estórias.
Publicou: “Nosografia filosófica ou método de análise aplicada à medicina”; “Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental” (a segunda edição consta com mais 200 páginas); vários artigos científicos e populares etc.
Humanista, era contra as medicalizações, e defendia que o médico deveria participar da administração hospitalar, objetivando organização, higiene e relações interpessoais saudáveis.
Adoeceu ele próprio de um tipo de demência arteriopática, de que veio a falecer a 25 de outubro de 1826.
Uma estátua em sua honra foi erguida à frente de La Salpêtrière, em Paris.


ANÁLISE TEÓRICA DOS DADOS
Para alcançar este objetivo de pesquisa, recorreremos a Morel (1998), Roudinesco e Plon (1998), Leroy (1991), Cobra (2004), Monteiro (1990).
Quanto ao conceito de aprendizagem inventiva , recorremos a Kastrup (1997).
Quanto ao conceito de aprendizagem significativa a Rogers (in Missel et al., 2001).
Já a categoria “ experiência ” recorremos à Psicologia Existencial de Laing (1974).

PROCEDIMENTOS
1)  Resgatei da biografia “ofical” de Philippe Pinel, aquilo que mantém o idílio e o mito de ser;
2) (Re)Estudei desses dados biográficos;
3)  (Re)Apreendi o que de subjetividades – de um cientista de hoje - num “mergulho existencial e distanciamento reflexivo” (Forghieri, 2001) de ser no período da Revolução Francesa – de ser Philippe Pinel;
4)  (Des)velei – no que me foi (im)possível - do mito Philippe Pinel, afinal um humano que não nos é estranho;
5)  Efetuei o Relatório Final.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
3.1. Origens da família Pinel
Monteiro (1990) diz que os “(...) primeiros biógrafos não precisaram muito bem as origens da família de Philippe Pinel “(p.15).
Entretanto, os Pinel são - segundo rigorosíssimas pesquisas de Leroy (1991) - de origem hebraica (judia), vindo do norte.
Em 1553 há relato de um outro famoso Pinel.
Era o português SAMUEL USQUE.
Usque é o sobrenome real, tendo que modificá-lo para Duarte Pinel, devido à imposição de nobreza legitimadora do catolicismo e persecutória aos judeus.
Trata-se Duarte Pinel de um Séfarades – judeus obrigados a modificarem o sobrenome, caso não quisessem morrer assassinados pelo império espanhol, principalmente, não não só.
Duarte Pinel, junto ao seu amigo Gerônimo de Vargas - originalmente um sérafade espanhol chamado YOM TOV ATTIAS, que pelos mesmos motivos sócio-históricos teve que modificar seu nome - tornou-se famoso livreiro (publicador de livros), chegando a fazer a primeira tradução latina da bíblia Talmud.
3.2. Philippe Pinel (1745-1826)
Seu pai deu seu próprio nome ao filho: Philippe Pinel (1716-1793). Sua mãe: Elizabeth Dupuy Pinel (1722-1757) faleceu quando o filho - Philippe - era ainda bastante criança.
Nosso psicobiografado tornado-se órfão, e passou a vivenciar todas as conseqüências históricas sobre a construção das subjetividades de ser órfão. Ele édescrito como um menino, um rapaz, um homem e um idoso tímido. Haveria relação entre ser “órfão” e a subjetividade timidez?
De família de médicos, Pinel nasceu a 20/04/1745, em Roques, Commune de Jonquières – jurisdição de Castres, Deportement de Tarn (França).
Ele abandonou a vocação religiosa no Colégio de Esquille (Toulouse). Recebeu, também em Toulouse, em 21/12/1773, quando tinha 28 anos de idade, o título de Doutor.
Apesar de uma origem econômica bem estruturada, Philippe não chegou a usufruir dessas benesses. A pobreza chegou para ele e para muitos francêses.
Em 1774 partiu para Montpellier com o objetivo de aperfeiçoar-se na arte médica. Então estudou Nosografia - classificação das doenças - de Boissier de Sauvages e seguiu o curso de Barthez.
Não defendeu uma nova tese. Entretanto cometeu um “pequeno” (?) delito – infelizmente muito comum hioje em dia: Redigiu algumas “teses”, vendendo-as para colegas ricos e pouco escrupulosos. Essa escrupulosidade pode também ser feita a ele, pois foi ele mesmo, que as produziu e as vendeu.
Posteriormente, descobriu-se que essas “teses” eram usurpadas com seu (com)sentimento – e depois que obtinha o lucro econômico para sua sobrevivência. Essas “monografias” abordavam o corpo, luxações, etc.
A pobreza era grande. O médico em busca do forte desejo de “ser famoso” fazia de tudo. Podemos refletir entretanto que sua era a traição à ciência e à arte que estava a fundar, a criar, a inventar.
Para sobreviver deu aulas de matemática. Não é em vão que Philippe é por muitos reconhecido como o primeiro a associar medicina e matemática. Ele chegou também a escrever para um jornal popular - Gazette de Souté - e traduziu Cullen (1710-1790).
A obra de Cullen muito influenciou seus escritos. O seu livro “Nosografia filosófica” fundamentou-se, de modo quase que total, nas idéias desse psicopatologista nosográfico.
O “Ancien Régime” não lhe agradará, visto ter desejado sucesso acadêmico, e o regime não lhe deu “bolsa” de treinamento médico. E ele não requereu apenas uma vez, mas várias vezes.
Foi médico psiquiatra de de “mesdames” - tias do Rei Luiz XVI . Ele não conseguiu obter sucesso no tratamento dessas “loucas de Paris”, tresloucadas tias reinantes.
Então, não é surpresa que Philippe seguisse, e com muito envolvimento e sincero entusiasmo, o “Movimento Revolucionário” de 1789. Ele começou a interessar-se por mudanças no seu país, a partir dos seus sentimentos abandônicos e persecutórios. Isso significou que ele também desejava cuidar de si, mas também cuidar do outro – outro de si.
Com mais de 35 anos de idade, Philippe casou-se com Jeanne Vincent “(...) pessoa econômica e organizada” (in Monteiro, 1998; p. 102). Jeanne – a senhora Pinel - e ele, começaram a proteger os revolucionários, hospedando-os em sua própria casa.
Entretanto, durante o Terror, Pinel tornou-se “burguês moderantista”. Ele era muito político e cria(dor) de “oportunidades” para si. Como estamos a ver/ sentir nosso psicobiografado é produto do seu tempo e do seu espaço.
Nesse contexto de ambigüidades e contradições, além das conseqüências econômicas do Terror, Philippe começou sua trajetória de fama. Como isso aconteceu?
Fez amizade com Thouret , e foi ele que o nomeou médico do Hospício de Bicêtre. Nessa instituição trabalhou de 11 setembro de 1793 até 29 abril de 1795.
3.3 Jean-Baptiste Pussin
Em Bicêtre, Philippe Pinel, que sempre foi muito tímido - porém astuto - parecia estar assustado diante dos seus pacientes doentes mentais.
Então, de modo sábio e sensível, passou a observar um ex-paciente. O nome desse “ex-louco” é Pussin, casado também com uma “vigilante”. Neste ponto é revela(dor) o processo de “auto-fazimento” – autopoiésis - desse médico que caminha para o sucesso. Torna-se evidente que deixa-se penetrar – corpo/ organismo/ afetividade/ intelectividade pelo “(...) próprio processo de criação de si (...) (Kastrup, 1997; p. 114).
Pussin tornou-se um ilustre “vigilante” de Philippe Pinel. Uma espécie de cuida(dor) sem habilitação escolar oficial.
Pussin foi paciente da mesma Bicêtre. Ele nasceu em Lons-le-Saulnier: era curtidor (curtia a dor?) de peles de animais, preparando-as para uso (em bolsas e sapatos, por exemplo).
Aos 25 anos de idade - dia 05 junho de 1771 - deu entrada nesse hospício como enfermo.
O diagnóstico da época descreve-o atingido por humores frios – uma adenite tuberculosa. Curou-se. Entretanto, não foi (re)encaminhado para sua casa, passando a trabalhar neste hospício – o de Bicêtre. Em 1784 foi promovido ao posto de vigilante. Nove anos depois - em 11 setembro 1793 - começaria sua colaboração para com o Dr. Philippe Pinel. Ambos eram contra os tipos de “tratamentos” (de fato violências) – especialmente os acorrentamento - impetrados pelo Estado e legitimados no cotidiano contra os portadores de alguma doença mental.
Talvez o que Pussin trazia em si e, que conquistou Pinel, foi a sua habilidade em abordar aquele outro de si – o paciente psiquiátrico - pois ocupava um lugar que um dia foi seu. Pussin sentia/ pensava/ agia a Psiquiatria - e esboçava a Psicologia Clínica - porque “esteve lá”.
Pinel, neste contexto, pode ser considerado como um homem à frente do seu tempo. Philippe (re)conhece-se ser-no-mundo e carente de conhecimentos de inter(in)venções alternativas à Psiquiatria da época. Ele então busca apoio justamente no homem mais humilde e simples - Pussin. Isso (des)vela a complexidade e refinamento (pré)sentes na pessoa simples, humilde, sem formação escolar – uma percepção pineleana.
Podemos sugerir que Pinel abriu-se à experiência, isto é, deixou-se penetrar e marcar pela experiência vivida, pela vida pulsante no experenciar. Pasou a sentir o cotidiano da vida junto ao sofre(dor). Para Laing (XXXX) é tarefa da Fenomenologia Social “(...) relacionar a minha experiência do comportamento do outro com a experiência que o outro tem do meu comportamento. Seu estudo é a relação entre experiência e experiência: seu verdadeiro campo é a interexperiência” (p. 13).
“O conhecimento, enquanto ação efetiva, permitirá ao ser vivo continuar sua existência num meio determinado, na exata medida em que ele constrói este mundo” (Kastrup, 1997; p. 114).
Pinel chegou a escrever (in Morel, 1998; p. 198-199) sobre Pussin:
“(...) convencido das preciosas vantagens da política interior introduzida e estritamente observada entre os insensatos [pacientes] de Bicêtre pelo cidadão Pussin”; Philippe elogia a capacidade de Pussin em organizar a instituição; Pussin, unia “(...)a uma inteligência rara (...) a uma feliz harmonia dos sentimentos de humanidade e de uma firmeza imperturbável” etc.
Pussin falece. A viúva abandona suas funções. Ela vai para a terra natal do marido. Por ser viúva de Pussin, ela foi gratificada pelo Conselho Geral dos Hospícios.
Em 03 agosto 1887 Pussin ganhou uma placa comemorativa. Pinel denominou Pussin de seu mais fiel colaborador. Também Pariset denominou Pussin de “precursor de P. Pinel”.
3.4. Os filhos de Pinel: Scipio – Fica na França; Charles – Vem para o Brasil.
Philippe Pinel e sua esposa Sra. VINCENTE PINEL tiveram dois filhos:
1) Scipion Pinel – o filho mais velho;
2) Charles Pinel – o filho mais jovem.
Sete anos de diferença entre ambos.
Em um segundo matrimônio, Philippe não teve filhos.
Esses dois filhos – Scipion e Charles - são assim descritos por Morel (1998; p. 194):
“Os últimos anos de sua vida [de Philippe] foram entristecidos (...) pelas loucas despesas dos seus filhos Scipion e Charles, cujas dívidas pagava. Enfraquecimentos cerebrais sucessivos a partir de 1823 o fizeram mergulhar pouco a pouco em uma demência arteriopática, da qual morreu a 25 de outubro de 1826”.
Gasta(dores), era esse o adjetivo fornecido a Scipion e a Charles.

3.4.1. Scipion Pinel (1795-1859)
Nasceu em Bicêtre a 22-mar.-1795. Orientou-se para medicina, tendo defendido a tese “Pesquisas sobre alguns pontos da alienação mental” (em 17-jul.-1819). Era muito instável, e essa sua característica subjetiva entristecia o pai, que gostava de organização, higiene, etc. Tentou criar uma casa para alienados mentais (em Ménilmontant). Foi nomeado médico da Primeira Seção de alienados de Bicêtre (em 1836), muito provavelmente sob a “égide” paterna. Três anos depois instalou-se na rue Richelieu.
Em 1833 escreveu “Fisiologia do homem alienado”; “Tratado de patologia cerebral” (1844); “Tratado completo do regime sanitário dos alienados ou Manual dos estabelecimentos que lhes são consagrados” (1836); prefaciou “Anatomia Geral” de X. BICHAL (1821) etc.

3.4.2. Charles Pinel (1802-1871)
Charles, de natureza instável e aventureira, foi 7 anos mais novo que Scipion.
Era um amante das artes (tentou ser dramaturgo e ator), do direito (chegou a ter um escritório) e das ciências Botânica e da Mineralogia (a nosografia do seu pai era marcada pelos princípios de catalogação botânica da época e Philippe e sua família, conviveu com famosos botânicos, artistas, nobres, escritores etc.). Em 1934 o jovem Charles veio para o Brasil.
Casou-se em 27 abril de 1835 com Marie Catherine RIME, filha de Félix RIME e de Véronique TORNER.
Teve oito filhos, quatro moças (Clara-Dorothéa; Maria-Leonia e Joana-Honorina, desenhistas renomadas das descobertas botânicas de Charles; e Amélia) e de quatro rapazes (Luís-Felippe; Carlos-Scipião; Luís-Leão; Henrique-Camillo- 2).
Charles faleceu em 18 julho de 1871.
Era comerciante e cultivador (e catalogador) de orquídeas.
Costumava dizer que era “filho legítimo do Barão Philippe Pinel” (in Monteiro, 1998; nota de rodapé, na p.142), desvelando daí sua relativa intimidade com a nobreza brasileira de então, tendo recebido inúmeras vezes gente como Conde D'Eu, Princesa Isabel, etc.
Perto da sua fazenda “Retiro” (em Nova Friburgo, Rio de Janeiro), existe a “Cascata Pinel”, em sua homenagem.

3.5. O mito Philippe Pinel
Philippe Pinel tornou-se mundialmente conhecido por sua forte oposição aos modos como o Estado e suas instituições legitimadoras, como a Medicina e a Psicologia, abordavam - de modo violento - os doentes mentais. Esses submetidos eram entendidos como bruxos e endemoniados.
Os atos sentidos de Philippe Pinel - endeusados e mitificados – ajudaram-no na manutenção do “herói”. Ser herói é indispensável, naquele momento histórico, um momento cheios de heróis – grandes vultos oficiais.
Quem contribuiu, e muito, por esta mitificação, foi o filho de Philippe, cujo nome é Scipion. Também contribuiu para essa mitificação é Jean-Etienne Esquirol (1772-1840). Cada um deles socializa suas versões, seus modos especiais de perceber e descrever – oral e por escrito – o personagem – um outro – que estavam a inventar e criar. Quando o mito e a lenda se configura e se cristaliza, imprime-se a lenda, o mito.

4. (IN)CONCLUSÃO
Roudinesno e Plon (1998) afirman que
“(...) [Philippe] Pinel inventou efetivamente o tratamento moral a partir da idéia de que a loucura continha sempre um resíduo de razão”.
É neste contexto, associado à aprendizagem com PUSSIN, é que se deve resgatar e elogiar inter-in-venções de profissionais e pesquisadores como o renomado médico e cientista PHILIPPE PINEL.
Como vimos, o cotidiano de ser Philippe Pinel foi marcado por relações difíceis para com seus filhos, entretanto, o ambiente estimulante da época e de sua casa, facilitaram a inserção histórica dos “rebentos”, emergindo “aprendizagens criativas” autopoiéticas. 

NOTA: Escrito de modo direto, sem correções; ensaio científico experimental.