domingo, 23 de abril de 2017



A chuva é o problema central da Tailândia, quando ela cai sobre nossas cabeças, ou devemos afastá-la da nossa vida, limpando-nos dela, ou simplesmente acolhe-la, deixando-a ser como nós mesmos somos no mundo, seja pra nascer, pra renascer e ou pra morrer.
[Hiran Pinel, autor]

NOTA 1: Criei/ produzi/ inventei essa frase inspirando-me num diálogo lindo, desse lindo filme de Nitchapoom Chaianun, chamado As Histórias da Chuva (Tailândia, 2016) - a seguir mais dados sobre essa refinada obra de arte;

NOTA 2: FICHA DO FILME: The Rain Stories (2016); título em thai: - เมื่อฝนหยดลงบนหัว - Ou: Quando a Chuva Cai Sobre a Cabeça; Duração: 1 hr. 55 min.; direção: Nitchapoom Chaianun; Elenco: AofTion Thiratikon // Diamond Spiito // Eakkapat Wanisvisispong // Kim Worakamon Nokkaew // Nana Thawornpan.

NOTA 3: As imagens são da terceira história da chuva, a que eu tive acesso com legendas em ingês. O filme é composto por um complexo e híbrido mosaico de três história, todas embaladas pela chuva. A primeira história é sobre um jovem patologicamente obeso e com deficiência nos pés, que se apaixona pelo garoto mais lindo da escola ampliando os preconceitos contra ele. A segundo é a história de um jovem que finalmente irá conhecer o pai e entrará em profundos conflitos com a figura paterna e materna, mesmo porque ele está apaixonado e namorando com um amigo. A terceira história, dessas fotos que eu acoplo aqui, é a seguinte: Um rapaz está com dívida de jogo, e um amigo o aconselha procurar na internet gays, pois eles pagam bem por uma noite de sexo. Entretanto, as coisas não saem como é esperado: o gay vai com a cara do rapaz, o rapaz se apaixona, o gay dá-lhe dinheiro e nada de sexo, o rapaz começa apaixonar-se por uma menina da escola, o gay passa ser uma espécie de presença existencial na vida do outro, proporcionando-lhe aprendizagens significativas. Os dois rapazes transam, se apaixonam. A moça diz adeus, mas pede mudança. E como é que fica? O gay abre mão do rapaz pra ele ser feliz com a garota, pra ver se ele aprende e cresce mais - muito digno. A cena final do homem gay detectando que a chuva está por vir é linda pois prenuncia o renascimento do garotão. Então o vemos na tempestade, abraçado à blusa que o homem lhe deu para proteger-lhe. É de uma cena prenhe de com+paixão, rara compaixão. Essa película é uma obra de arte,
* * *
PSICOLOGIA CLÍNICA
(Pré)ocupa-se em cuidar do sofrimento humano, considerando o sofre(dor) como ser-no-mundo. 

[Hiran Pinel, em citando, informar a fonte].

sábado, 22 de abril de 2017

38 verdades sobre meu ser-sendo cinéfilo e 02 mentiras advindas desse mesmo ser-sendo que sou HIRAN PINEL:

1. Minha paixão pelo cinema começou com o filme (da série de cinema Jim das Selvas) chamado A Deusa da Lua (1955), com Johnny Weissmuller;

2. O meu choro apareceu no filme Carnaval Atlântida (1952) quando um professor arrogante de história, contratado para dar subsídios a um filme nacional, começa a derreter-se ao conhecer o amor - isso me soou lindo demais - ele era interpretado por Oscarito;

3. Ainda adolescente assisti ao primeiro filme proibido pra 18 anos: E Deus Criou a Mulher (1956) com Brigitte Bardot, foi no cine Glória, em Lajinha, MG, e minhas retinas nunca apagarão diante dessa deusa, de bumbum pra cima agitar-se como gata em teto de zinco quente kkk;

4. O primeiro filme de Marilyn Monroe que assisti foi O Pecado Mora ao Lado (1955) e sua presença é eletrizante e ninguém consegue ficar intacto diante da ingenuidade e do belo pecado indissociados kkk;

5. Fiquei excitado, a ponto de naquela noite perder o sono, quando no Rio de Janeiro assisti a Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964). - O que foi isso que experienciei? Eu me interrogava;

6. Na minha modesta opinião, o ator e cantor mais lindo do mundo é Justin Timberlake, mas sei que ele não está nem aí pra mim kkk Depois dele é o ator tailandês March Chutavuth Pattarakampol, depois Leonardo DiCaprio e Gael Garcia Bernal. Quanto às atrizes: Vera Fischer, Florinda Bolkan, Betty Davis, Wanderléa e Marisa Paredes;

7. A cena famosa da Ponte Rama VIII, no episódio 13 da série tailandesa Sotus The Serie (2016/17), quando os dois personagens caminham (um atrás do outro) faz cover do filme Perdidos na Noite (1969), e escrevi isso para o fã clube de lá, e "emocionados" (disseram essa palavra em inglês) me confirmaram depois de conversarem com o diretor (segundo eles - salvei a resposta, pois até hoje não acredito), indicando minha perspicácia cinematográfica;

8. Tropical Malady (2004) é um filme da Tailândia de Apichaptong Weerasetakul, e na minha opinião um dos melhores do mundo, chegou a ganhar Cannes, e eu faço cover de diversas cenas;

9. Amo filmes de heróis, e o melhor deles é sem dúvida Dead Pool (2016) ou Deadpool;

10. Fui barrado na porta do Cine Acaiaca, de BH, por não ter 18 anos, impedindo-me assistir a Perdidos Na Noite (1969). O porteiro que proibiu, no outro dia, sem que soubéssemos, era meu colega do primeiro ano do curso técnico de Química - rimos muito e ele me convidou para assistir a esse Cult, sem eu pagar;

11. Adoro séries yaoi tailandesas, e muitas têm linguagem de cinema, e cover de diversos filmes - assisto fissurado - as melhores por ordem Love Sick The Series e Sotus The Series, e tem ainda Hormones The Series, Room Alone, Secret Love: Puppy Horney, Bad Romance The Series e Grey Rainbow;

11. Adoro mentir dizendo que sou cinéfilo...;

12. Sou capaz de fazer cover de filmes (e séries) e sou mais ainda capaz de fazer durante uma aula, associando-o com o conteúdo ensinado;

13. Minha paixão por cinema é tão densa, tensa e intensa, que ao fazer cover, sou capaz de derreter-me em lágrimas, e como Branca de Neve acabar-me em choro, esquecendo-me - de tão cinéfilo emocional (e racional) que sou-sendo;

14. Em 1973, em plena ditadura, assisti a O Couraçado Potemkin (1917) e meus colegas me obrigaram a comportar-se paranoicamente, achando que a polícia poderia aparecer ali numa sala da UFMG da Psicologia, da Rua Carangola - eu ria demais disso, e hoje sei do risco que corri;

15. O filme Brokeback Mountain (2005) tocou-me tanto, que cheguei a escrever um livro nunca publicado, mas que usei no curso de mestrado e doutorado, que dei o nome de: "Apenas Dois Rapazes e uma Educação Social: Existencialismo, Cinema e Inclusão";

16. O filme de Educação Especial (numa perspectiva inclusiva) mais lindo desse santo mundo de meu Deus, é o iraniano A Cor do Paraíso (1999);

17. Fiquei tocado assistindo ao filme francês O garoto Selvagem (1970) que narra a vida do criador da Educação Especial Jean Itard, justamente quando ele dialoga como seu mestre Philippe Pinel, fazendo-me recordar de onde surgiu minha família e meu sobrenome;

18. Não consegui assistir todo a Salò ou os 120 dias de Sodoma (de Pasolini) de 1976, só recentemente consegui assistir a todo ele, sem nenhuma náusea, e compreendendo o significado que o diretor quis dar aos efeitos no fascismo nos comportamentos e subjetividades dos opressores e dos oprimidos - mas não é um filme pra qualquer um;

19. Já escrevi diversos artigos e livros donde o cinema (o filme) é um dispositivo de pesquisa, e muitos estão publicados;

20. Quando um ídolo meu vai envelhecendo e fica "feio" (dentro de nossa sociedade) eu o abandono por outro mais jovem, pois a beleza física (e não o talento) me seduz facilmente;

21. Uma vez peguei o ônibus de Lajinha para Manhurmirim com um único objetivo, assistir à película Juventude e Ternura (1968) que tinha como protagonista Wanderléa, e mais: não me arrependi; 

22. Acho o filme Roberto Carlos em Ritmo de Aventura (1968) um Cult, cheio de belas intencionalidades, com o rei no auge;

23. Quando assisti recentemente ao filme Eternamente Sua (2002, direção de Apichaptong Weerasetakul), fiquei assustado, pois não via o começo com os créditos do filme com o título, o elenco, os técnicos etc. Bem, de repente, 45 minutos depois de ter começado a película, os crpeditos começam aparecer, e tendo ao fundo o som da música Samba de Verão dos Irmão vale, cantado em tailandês pela cantora Nadja - chorei de emoção;

24. Um mestrando meu, meio que sem planejamento, resolveu me mostrar o filme Moonlight: Sob a Luz do Luar (2017) e o fez com uma didática fenomenológica espetacular, a ponto de eu perguntar se ele tinha consciência disso. O filme se tornou um dos meus prediletos, pelo intimismo que narra, o abandono dos marginalizados e suas demandas e afeto;

25. O melhor filme sobre a vida dos professores doutores de universidades públicas renomadas é sem dúvida o israelense Nota de Rodapé (2011) que narra a feira de vaidades na qual esse profissional, algumas vezes, pode estar mergulhado: ganha-se pouco, mas sofre-se muito, e esse é um dos sentidos de "ser e estar" nesse lugar, naquele tempo;

26. O melhor filme sobre a vida de professor, pedagogo e gestor escolar é Conrack (1974) com Jon Voigh;

27. O melhor filme para produzir reflexões e textos sobre o paralelismo normal e patológico é O Homem Elefante (1980);

28. O melhor filme que aborda muito indiretamente a pesquisa ação é Veludo Azul (1986) e eu escrevi um artigo científico sobre isso;

29. O melhor filme sobre o papel do pesquisador e suas tarefas é sem dúvida (adoro essas certezas kkk) é Kinsey - Vamos Falar de Sexo (2003);

30. Os três melhores filmes sobre o ofício psicólogo são: O Príncipe das Mares (1991), Gente Como a Gente (1980) e uruguaio O Quarto de Léo (2009);

31. Odeio afirmativas sólidas, especialmente quando se fala em artes e literatura, como cinema - mas nessa lista eu não faço muito isso, pois sou objetivo, fugindo da subjetividade.

32. Estou apaixonado pelo filme tailandês The Rain Stories (2016; título em thai: - เมื่อฝนหยดลงบนหัว - Ou: Quando a Chuva Cai Sobre a Cabeça; direção: Nitchapoom Chaianun);

33. O rosto de March Chutavuth Pattarakampol é o primeiro a aparecer no filme Home: Love, Happiness, Memoriesm (direção de Chookiat Sakveerakul) dá ao jovem ator a oportunidade de dele dizer algo como "sou uma estrela, e onde apareço em close eu ilumino tudo ao redor", dito e feito, o filme começa assim e termina assim: um brilho maior sobre a alma tailandesa... ;

34. Apaixono-me por filmes de línguas diferentes do português, espanhol e inglês, que domino um pouco, e asssito com muita tesão mesmo sem legendas. Filmes tailandeses, chineses, japoneses, filipinos, sul-coreanos etc. E mais assisto SEM LEGENDAS, fico adivinhando os diálogos, pois me impressiono com as imagens, as interpretações, as músicas, a direção, a iluminação etc. Para me aproximar do real (de um filme) eu procuro ler textos e críticas publicadas, mesmo em sítios dos respectivos países... Sou um investiga(dor), ou seja, investigo minha própria dor em não dominar tudo kkk

35. Tenho fascinação pelo filme filipino Aurora/ O Amanhecer/ Daybreak, com Coco Martin e Paolo Rivero;

36. Um cult sobre Educação Especial é O Menino Selvagem (França; 1970; direção de François Truffaut), é aula de prática de intervenção (do seu tempo e espaço), de como produzir ciência (conhecimento), de paixão pelo ensino-aprendizagem, de humildade científica não submissa, de competência, de motivação... e acima de tudo, aula de História da Educação Especial;

37. Canções de Amor, um filme francês de Christophe Honoré é minha paixão e eu me envolvo com todos os três momentos de construção do amor, fiquei fã de Louis Garrel, Ludivine Sagnier, Clotilde Hesme e Grégoire Leprince-Ringuet (uau Grégoire, uau... kkk), e do próprio Honoré, que passei a procurar dele outras películas;

38. A primeira obra de arte tailandesa que assisti, direcionado pelo You Tube, foi Love Of Siam (2007, direção de Chookiat Sakveerakul), daí fui direcionado para as duas séries de minha devoção: Love Sick The Series e Hormones The Series, até chegar contemporaneamente à cultuada Sotus The Series, passando pela linda película Banguecoque/ Bangkok Love Store (2007; direção de Poj Arnon);

39. Tem séries da TV tailandesa que têm linguagens de cinema, e posso citar: Hormones The Series (com March Churavuth, Tou Anusit, Tor etc.), Love Sick The Series (com Captain, White-Wo, Ngern, August etc.), Bad Romance The Series (com: Max Nattapol Diloknawarit & Tul Pakorn Thanasrivanitchai), Grey Rainbow The Series (Hongladaromp Kasidej & Rattanamongkol Nutchapon), Room Alone The Series - Apartamentos 401-410 (com Saliwattana Achirawich, Thitipoom Techaapaikhun, Jumpol, Thawornwong Jirakit e outros - linda 10 histórias; ), Secret Love: Puppy Horney (com Adulkittiporn Jumpole outros maravilhosos atores) etc. Assisto e sinto quando é cinema, série e ou telenovela (kkk - sim, tem cenas que é telenovela kkk excesso de melodrama, o roteiro fica mais simples e óbvio, imagens secas sem privilegiar a iluminação etc... kkk)...;

40. Não consigo apagar da minha memória Florinda Bolkan e Jean-Louis Trintignant no filme "Metti una sera a cena" (1969)... 

RESPOSTA:

São duas mentiras, os tens 11 e 31.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Love Sick The Series - saudades, por isso revejo sempre...
Série Tailandesa...
Protagonistas: Captain & WhiteWo...
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé e pessoas no palco


CAPTAIN
  • Name: Chonlathorn Kongyingyong (ชลธร คงยิ่งยง)
  • Nickname: Captain (กัปตัน)
  • Profession: Actor
  • Date of birth: Feb. 02, 1998
  • Birthplace: Thailand
  • Height: 180cm
  • Star sign: Aquarius
  • Blood type: Type A
  • Marital Status: Single
  • Hobbies: Sleeping, listening to music and playing sport
  • Education: MUIDS (Mahidol University International Demonstration School), Srinakharinwirot University
  • Major:environment science
  • Favorite Artist:Taylor Swift, Jason Mraz, Charlie Puth
  • Favorite color: White, Blue, Black
  • Best friend: White Phumphothingam Nawat (que é seu boyfriend kkkk mentira... são amigos), Ngern Anupart Luangsodsai...
  • Ator que se se espelha e gosta: Mauro Mauer (de Love Of Siam, que nós brasileiros conhecemos)...

WHITE-WO

  • Name:Nawat Phumphotingam
  • Nickname: White
  • Profession: Actor
  • Date of birth: June 2, 1996
  • Birthplace: Thailand
  • Height:
  • Star sign:
  • Blood type:
  • Marital Status:
  • Hobbies: Playing football
  • Education: Assumption College Bangruk

segunda-feira, 17 de abril de 2017



Acompanhando "ao vivo" (in face) o ator Singto Prachaya Ruangroj ou Ruangroj Prachaya de "Sotus, The Séries", Banguecoque, dentro do carro dirigido pelo seu agente (acho), tudo começa ele colocando colírio, justo ele um colírio para os olhos (kkk). Planejei pra assistir esse evento, pois seu fã clube, da Tailândia, nos avisou desde há uma semana mais ou menos, e cheguei a escrever na agenda, pois se esquecesse pularia da 3a ponte (mentirinha). Adoro isso. Parece-me que lá é ano novo e ele vai comemorar... pela fala dele, gestos, fogos - são pistas, sei lá... Mandei mensagens de fã, tipo: "lindo, talentoso, cadê o Arthit? (amigo íntimo dele no seriado), seu cute-cute" Tudo em português... Mandei várias mensagens pra chamar a atenção dele, se ele estivesse aqui, eu ficaria nu, como Erasmo Carlos na canção (kkk) Mas são centenas e centenas de mensagens de tailandeses, tipo: "não pingue colírio com o carro andando, meu fofo" (kkk), "estou preocupada você colocando colírio, é perigoso lindo e fofo"... Todas as fãs cuidadosas, como mãezinhas com corpos desejantes! (kkk) é a libido maternal! (adoro isso)... Que lindinhas elas são - sou fã das fãs, elas me tratam como avozinho bobinho e idiota (acho kkk), tudo que eu escrevo elas tentam compreender, e o faço em inglês - via google. Na Tailândia, o inglês é oficialmente, é o segundo idioma. Pela rapidez das mensagens, ele é ídolo mesmo, dá pra notar que a maioria são tailandesas e de países perto dali, espaços que compõe o Sudeste Asiático - idiomas diferentes em países tão próximos. Espero que eu seja único do Brasil (kkk até parece). São milhares, são + de 7 mil comentários até agora e 3800 compartilhamentos, + de 5,7 milhões de curtidas (agora mais). Passa tudo rápido, eu faço meu comentário e ele some no turbilhão de mensagens. É um ídolo, um deus, um ícone, um mito, um ator, uma pessoa, uma fragilidade - eu sinto isso. Vou inventando títulos nobres pra ele... Que lindinho, adoro isso. Imaginando/ refletindo: é assim que a gente "esquece" das doenças, das pequenas dores, maldades naturais de ser humano, barreiras contra as aprendizagens e o desenvolvimento positivos, plágios de estudantes (ó senhor), textos vazios, vida de merda etc... Ôba! Acho que ele falou meu nome (kkk) linda mentirinha... kkk Ele vai selecionando (à deriva) mensagens e vai respondendo.... A maioria quer saber pra onde ele vai, e eu não sei até agora kkk Não sei nem pra onde eu vou, imagine saber dele, do outro... Não me erre.... <3 span=""> Quem leu, agradeço ter lido algo tão divertido como essa experiência aqui-agora, a primeira com um ídolo. Lá é uma indústria do entretenimento, tudo planejado, é dinheiro que corre solto, é compromisso com o consumi(dor)... Abraços...

Fotografia promocional do ídolo dos trópicos asiáticos:

sábado, 15 de abril de 2017


The Fanatic Love 第一初恋, 2016, Chinese Movie; direção de Tingjun Du.

SOU GRATO POR VOCÊ TER ME DADO TANTAS LEMBRANÇAS FELIZES.

SINOPSE: Um cara é fanático por um colega de escola que ficará com uma menina. Ele é doidão, dramático. Ele tem um amigo que cuida dele sempre, estando ao seu lado, mantendo o amor que sente por ele em segredo - ele não luta por esse doidão apaixonado. Os dois são levados a entrar em um jogo de computador, e isso é feito pela irmã. O jogo se chama Fanáticos, e a coisa se resolve, pois o irmão dela, que nunca confessou o amor e nem lutava por ele, pode lutar, enfrentar, resistir.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

FIQUE?
A imagem pode conter: 2 pessoas, close-up e texto

"Fique comigo essa noite?", pede Kongpob para Arthit - e ele é atendido... Só na arte isso acontece, na arte de "Sotus The Series" (Tailândia), pois na vida real é tudo bosta... kkk Eu não posso contar nada nessa seara, nem de quando eu era jovem kkk ...

Kongpob é representado pelo ator Singto.
Arthit é representado pelo ato Krist.

Imagem que capturei do último episódio, o 15o, da primeira temporada.

Essa série é envolvente, excelentes atores, e o casal de protagonistas arrasam... Elogios valem pras músicas, iluminação (visível a qualidade dela), fotografia (a cena da Ponte Rama VIII é muito comentada no Brasil), vestuário, coreografia (a cena da ponte e do casamento de P'Fom só dá coreografia), direção segura com Oficina e tudo etc.

* * *

[Hiran Pinel, em 2017, em Vitória, ES, Brasil. Depois de acompanhar ao vivo o ator Singto, andando de carro e aplicando colírio nos seus olhos. Parece que está comemorando o ano novo - parece... adorei a experiência... Agradeço ao fã clube da Tailândia, um dos muitos, ter me avisado].