segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017


É da doença de não saber escutar, é da enfermidade de não perceber que eu padeço" (SHAKESPEARE, s/d).

FONTE: SHAKESPEARE, William. Henrique IV; peça de teatro. Vitória: digitado/ sem editora, s/d.

domingo, 19 de fevereiro de 2017


JUMPOL, PRA MIM TU ÉS A ESTRELA ENTRE AS ESTRELAS...

☆🌟🌟





Série: Secret Love: Puppy Horney (Parte 15) com 6 episódios. Comédia da mais refinada, é rir até chorar... O mais lindo e talentoso é o ator Adulkittiporn Jumpol - obviamente que é opinião minha kkk Mas o cara sabe fazer o drama como poucos roubando toda cena em "RoomAlone 401-410" e comédia como esse "Secret Love: Puppy Horney" (6 episódios; Parte 15).

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Como aprender a pronunciar o nome do ator tailandês  Adulkittiporn Jumpol (26 anos de idade) de Quartos Solitários 401-410 (drama) e Secret Love: Puppy Horney, Parte 15 (comédia escrachada).



Adulkit-Tiporn Jumpol




Sob meu pequeno grande homem
A lua brilha docemente
É uma linda cena, suave milagre

[Hpinel; ficção]

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Quando você me olha sexy
Agita seu quadril e me enobrece
A cintura é fina, sexy e torturante
Meu coração explode e fica bombeando
Então é que parte do meu corpo endurece
O sangue todo se concentra nas ideias que seu sinto
Pinto toda situação vivida como algo que não fenece
Quando você joga bola, a sua cintura fica sexy
e o seu quadril me deixa doido, e faz dizer-me "não esquece".


[Hpinel; ficção]
um abre a camisa de tanto calor (personagem Pick), o outro (Rome) desejando ... séries yaoi tem essas coisas ingênuas, mas coisas que fazem falta no ato de namorar, noivar e casar... Nunca deveríamos perder a ingenuidade... Nunca.


clique na foto pra ver o que é gente bonita abrindo a camisa... kkk e um outro desejando... kkk



Acabei de assistir a 6 episódios da sérei dividida em várias história: Secret Love: Puppy Honey - Parte 15 (2016), total de 6 episódios, GMM.

NOTA: 
quem abre a camisa é o ator Adulkittiporn Jumpol (que time de comédia que ele tem; maravilhoso), o outro é muito famoso por lá,trata-se de Poonsawas Atthaphan. O ator Adulkittiporn Jumpol ficou famoso e reconhecido pela crítica (Brasil) como ator dramático em "Room Alone 401-410" (Tailândia, 2014).
HÁ SANGUE. HÁ VIDA.
Assisti a 10 episódios do Cult Room Alone 401-410 (Tailândia, 2014) - fiz maratona. Num imenso prédio universitário de quartos (confortáveis e chiques) residem alunos e alunas. São várias histórias. Uma das narrativas mais poéticas é a de Puem ou Tutor Love (ator: Adulkittiporn Jumpol). Um universitário de Engenharia (acho), que tem um grave problema, toda vez que vai beijar uma menina, escorre sangue pelo nariz. Tem uma cena em que a namorada lhe dá um absorvente para limpar o sangue (uau, que sentidos)... Esse Tutor começa a oferecer aconselhamento amoroso via sistemas de internet que ele mesmo criou. Tem ele uma namorada que o ama perdidamente, mas ele não dá confiança pra ela, despreza, machista, apesar de amá-la. Ele faz muito sucesso como tutor love, mas ninguém sabe da sua identidade. Em determinado momento, uma moça começa a pedir-lhe conselhos, e é a namorada dele (a mal-tratada) dando outro nome. Seu negócio é dar conselhos de autoajuda, imediatistas, vazios, desprovidos de responsabilidade e real interesse empático pelo outro e por si. Ao final a menina chama Puem (o tutor) para jantar e lhe quer dar uma notícia. Ela revela saber quem ele era de fato. "Você conversou comigo mais do que presencialmente, e nem percebia que falava de nós dois". Ela arranja um outro cara - aconselhado por ele. Na mesa de jantar ele descobre tudo isso, e aparece um gosto amarga das comidas. Ela rompe com ele, e lhe desmascara - angústia de viver. Ele então se levanta, está só como sempre foi, encosta na parede e o nariz começa a escorrer sangue, ali mesmo... Não é só o beijo que o impulsiona ao sangue da vida, mas a também a morte presente nos rompimentos amorosos. Para mim os bons finais são assim, nada de "the end" feliz, mas um final pautado pela dor infinda, capaz de evocar ao espectador que é preciso que ele acorde, acorde para vida, para o sangue da vida, antes que seja tarde demais, mesmo que ele esteja com os pés à beira do abismo, pertinho da morte concreta. Há sangue. Há vida. Há o existir.

REPETINDO: Sempre que comento essas séries (thai-drama e outras) eu infiro muito, até mesmo pelos problemas das legendas (ou falta delas).... Nada de me encher a paciência e dizer "ele não disse isso nesse episódio, esse cara mente"... Cacete, seja mais flexível coisinha, é uma série linda, é entretenimento que nos chega da Ásia, e eu não sei inglês e tenho que ir procurando palavra por palavra, ou coloco no tradutor. Chega! kkk